Trabalhadores da Educação de Nossa Senhora do Livramento paralisam atividades dia 16


A luta dos profissionais é organizada pela subsede do Sintep-MT, que cobra o cumprimento da Lei do Piso Salarial Profissional Nacional 2022 e valorização dos educadores da rede municipal

Publicado: 06/05/2022 17:09 | Última modificação: // :

Escrito por: Roseli Riechelmann

REPRODUÇÃO

A Prefeitura Municipal de Nossa Senhora do Livramento (Baixada Cuiabana) descumpre a Lei do Piso Salarial Profissional Nacional - LC 11.738/2008, dos trabalhadores da educação municipal. Em Assembleia da categoria, ontem (05/05), os educadores deliberaram a paralisação das atividades escolares em 16 de maio. O objetivo é cobrar do prefeito Silmar de Souza Gonçalves uma audiência para tratar sobre a recomposição salarial.

Há sessenta dias (60) a subsede do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT), em de Nossa Senhora do Livramento, protocolou documento cobrando da prefeitura a recomposição salarial estabelecida para 2022, pela Lei Federal. O reajuste de 33,24%, concedido nacionalmente pelo PSPN, corrige o valor mínimo dos salários dos educadores em todo o território nacional.

Conforme esclarece o presidente da subsede do Sintep/Nossa Senhora do Livramento, Edson Gonçalo de Aquino, a prefeitura municipal tem ignorado os trabalhadores da educação naquilo que é direito da categoria. “Nossa Senhora do Livramento paga o menor salário aos profissionais, entre todos os municípios da Baixada Cuiabana (Várzea Grande, Cuiabá, Poconé, Santo Antônio do Leverger, Jangada, Chapada dos Guimarães, Barão de Melgaço, Acorizal)”, afirma o dirigente.

O diretor regional do Sintep-MT, Oeste I, que integra os municípios da Baixada Cuiabana, Ricardo Assis, alerta os trabalhadores da educação sobre a “ilusão” financeira realizada pelo gestor municipal. “A prefeitura manobra o valor salarial dos profissionais com aulas adicionais, que além de avançar na jornada de trabalho para além do estabelecido para a carreira, apresenta a falsa impressão de que recebem mais. “Recebem mais, mas trabalham mais também”, destaca.

A luta da subsede do Sintep/Nossa Senhora do Livramento é para que a prefeitura respeite e cumpra a recomposição salarial sobre o Piso Salarial com base na jornada de trabalho estabelecida no Plano de Carreira.