TCU abre investigação contra o Inep, responsável pela realização do Enem


Lideranças do PT e demais partidos de oposição solicitaram ao TCU que investigue denúncias feitas por trabalhadores que pediram exoneração do Inep alegando assédio moral e interferência nas questões das provas

Publicado: 21/11/2021 11:11 | Última modificação: // :

Escrito por: Redação/CUT

FÁBIO RODRIGUES POZZEBOM

O Tribunal de Contas da União (TCU) vai investigar a atuação do Ministério da Educação (MEC) e do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) na elaboração e fiscalização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), a pedido de um grupo de deputados federais.

“É uma bandeira suprapartidária a defesa do Enem", disse a deputada federal Professora Rosa Neide (PT-MT), que juntamente com lideranças dos demais partidos de oposição ingressou com a representação que inclui o pedido de afastamento do presidente do órgão, Danilo Dupas Ribeiro.

"Quando Bolsonaro deixa claro que o Enem é do governo, e do Estado, nos deixa muito preocupados. Estamos tomando todas as medidas para que o Enem seja preservado”, disse a parlamentar.

O líder da oposição na Câmara, deputado Alessandro Molon (PSB-RJ), classificou a fala de Bolsonaro, de que este ano o Enem tem a cara do governo, como uma "confissão de interferência indevida".

Segundo reportagem do jornal o Estado de S Paulo desta quarta-feira (17), o Inep passou a imprimir a prova previamente neste ano com a intenção de que mais pessoas tivessem acesso ao exame antes da aplicação, vetando e aprovando questões.

Já segundo a Folha de S. Paulo, Bolsonaro teria pedido ao ministro da Educação, Milton Ribeiro, para que se houvesse questões que tratassem o Golpe Militar de 1964 isso fosse tratado como uma revolução. É assim que o exame ficaria a cara do governo.

Os parlamentares procuraram o TCU ao tomarem conhecimento das denúncias de 37 servidores do Inep que pediram exoneração de seus cargos, na última semana. Alguns deles, que atuavam na realização de exames como o Enem e o Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (Enade), alegaram em entrevista à TV Globo, no último domingo (14), que estariam sofrendo assédio moral e que estaria havendo interferência nas questões das provas.

Coordenadora do núcleo de Educação do PT na Câmara, Rosa Neide foi escolhida nesta quinta-feira (18) para coordenar o grupo de trabalho que vai acompanhar a aplicação do Enem 2021. As provas serão aplicadas nos próximos domingos (21 e 28). No Senado foi criado um GT semelhante, que será coordenado por Izalci Lucas (PSDB-DF).

Polícia Federal no Inep
Rosa Neide ingressou com representação também na Polícia Federal, pedindo esclarecimentos sobre a presença do policial federal na sala restrita de elaboração do exame. E no Ministério Público Federal (MPF), pedindo investigação e o afastamento do presidente do Inep.

Em mensagem de vídeo enviada à RBA, Rosa Neide conta que o GT da Câmara para acompanhamento do Enem já está funcionando em parceria com o grupo do Senado. “No domingo, o GT vai estar reunido para acompanhar e dar a tranquilidade que o país precisa para o Enem. A partir de segunda-feira, analisaremos intercorrências, se houver, e tomaremos as providências junto ao Inep”, disse.
Confira:


Com inforamções da RBA e agências de notícias