Fórum Sindical faz um dia de paralisação estadual no próximo dia 22


Profissionais das diferentes carreiras do executivo estadual, que integram o Fórum Sindical cobram pautas prioritárias; RGA, Concurso Público, fim do confisco de aposentadorias e pensões e diálogo com o governo

Publicado: 20/06/2022 19:31 | Última modificação: // :

Escrito por: Roseli Riechelmann

Sintep-MT/Edevaldo José
Derrota da pauta da RGA na ALMT, que manteve o calote na recomposição salarial, provocou a paralisação dos servidores estaduais

Os servidores públicos do executivo estadual voltam às ruas no próximo dia 22 de junho, dia de paralisação em todo o estado. O objetivo é cobrar do governo Mauro Mendes o fim do calote na Revisão Geral Anual (RGA), realização de Concurso Público, fim do confisco salarial dos aposentados e pensionistas, e audiência para encaminhar as pautas. A mobilização do Fórum Sindical Estadual terá ato com concentração às 14h, em frente a Secretaria de Planejamento e Gestão (Seplag-MT).

A paralisação unificada das diferentes categorias que compõem o executivo estadual exige o encaminhamento para a recomposição salarial que soma mais de 25% de perdas na correção dos salários, nos últimos quatro anos. Os servidores estão decididos a não aceitarem mais a continuidade da política de arrocho e programam manifestações em todo o estado.

Sintep-MT/Edevaldo José
O arrocho salarial é uma das pautas combatidas  no dia de Paralisação

No caso da Educação Estadual o desmonte recorrente tem provocado a desvalorização da carreira dos profissionais com ampliação dos contratos precários. “O governo Mauro Mendes deixou de valorizar os educadores com desmonte recorrente da legislação. Não paga a RGA, acabou com a política da dobra do poder de compra, ampliou a terceirização dos profissionais que atuam nas escolas, e permite pagamento de menos de um salário mínimo para funcionários”, afirma o presidente do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT), Valdeir Pereira, um dos coordenadores do Fórum Sindical.

O Sindicato da Saúde do Estado (Sisma-MT) tem como urgência a luta pela realização de Concurso Público. A área está há mais de 20 anos sem renovação no quadro de efetivos e soma à desvalorização profissional, os contratos precários e o sucateamento dos serviços. “Nosso movimento tomará corpo até que o governo nos atenda e implemente uma agenda para fazer valer nossos direitos”, destaca a presidente do Sisma e membro da coordenação do Fórum Sindical, Carmem Machado.

Sintep-MT/Edevaldo José
Servidores tiveram expectativas frustradas  por parlamentares que, por maioria, mantiveram  o calote da RGA 

O Sindicato dos Profissionais de Desenvolvimento Econômico e Social de Mato Grosso (SINDES) fortalece a mobilização para reafirmar as pautas coletivas das categorias do executivo do estado, entre elas a questões do empobrecimento dos aposentados e pensionistas, que estão há dois anos com arrocho nos benefícios, após o confisco de 14%, daqueles que contribuíram durante uma vida e foram surpreendidos com saques em sua sobrevivência.

O desmonte do governo Mauro Mendes, contra os servidores públicos, persiste há quatro anos. Às vésperas do período eleitoral, a confiança do governo e da maioria dos parlamentares estaduais, se confirma na pauta de ataque às carreiras do executivo. Contudo, o funcionalismo estadual alerta que fará a resistência.