Falta vontade política para a oferta da profissionalização de funcionários de escola


Sem a contrapartida do governo do estado fica impedido o avanço da implementação do curso de profissionalização

Publicado: 13/05/2022 18:37 | Última modificação: // :

Escrito por: Assessoria/Sintep-MT

IFMT

A secretária de Políticas Educacionais do Sindicato dos Trabalhadores no Ensino Público de Mato Grosso (Sintep-MT), Guelda Andrade, e o secretário de Redes Municipais do sindicato, professor Henrique Lopes, se reuniram ontem (12/05) com a reitoria do IFMT (Instituto Federal de Mato Grosso) para discutir a profissionalização dos funcionários de escola. Durante a reunião, foi possível constatar, mais uma vez, a falta de vontade política do governo do estado em oferecer condições para viabilizar a profissionalização dos funcionários de escola. 

“O IFMT desde a gestão passada já abriu as portas para que a formação aconteça, no entanto, a falta de contrapartida do governo do estado impede o avanço dessa profissionalização. Fica escancarado que o problema é o viés financeiro, economicista, como entrave nessa questão. Não satisfeito com a negação de toda a recomposição salarial dos profissionais da educação, este governo sangra o segmento de funcionários, que já tem um salário baixíssimo sem a profissionalização”, criticou Guelda.

Segundo a dirigente, o governo nega o Profuncionario (curso profissionalizante) porque sabe que terá impacto na folha. “Mais uma vez, o governador coloca seus interesses econômicos acima de uma educação pública de qualidade. Além disso, precisamos destacar que, a reivindicação deste segmento é legítima e faz parte das necessidades humanas, de sobrevivência com dignidade”, afirmou Guelda.

Segundo o Sintep-MT, o IFMT está disponível para avançar na oferta dos cursos que abrangem quatro áreas que são: Alimentação escolar, Multimeios didáticos, Infraestrutura escolar e Secretaria escolar. A questão, no entanto, depende do aporte financeiro. “Alguns municípios, entendendo a importância dessa profissionalização dos funcionários de escola, estão firmando parcerias junto ao IFMT com contrapartida financeira para ofertar os cursos. É o caso de Cuiabá e Vila Bela da Santíssima Trindade, onde as negociações para abertura das turmas estão bem avançadas”, disse a sindicalista.

Profissionalização de TDI

O diretor do Sintep-MT, Henrique Lopes, destacou que a formação para Técnicos de Desenvolvimento Infantil (TDI), nas redes municipais, também é uma das reivindicações do sindicato. Segundo o sindicalista, a formação para os TDI’s, pode ser ofertada pelo IFMT, desde que haja manifestação financeira das prefeituras. “Existe a possibilidade de novas turmas serem formadas, e, para isso, é preciso o interesse dos municípios em firmar parceria com o instituto e implementar a contrapartida para os custos dessa formação”, concluiu